Eric escreve para Espaço dos Campeões do jornal Lance


O jornal Lance, maior diário esportivo do Brasil, separa uma coluna semanal, onde atletas postam seus relatos. E nesta semana, quem figurou no espaço foi Eric Takabatake, que falou sobre como é importante para um judoca estar psicologicamente bem preparado para uma competição.

Confira abaixo o texto na íntegra:

***

Olá leitores do Lance, aqui fala Eric Takabatake, atleta de Judô do Esporte Clube Pinheiros e da Seleção Brasileira. Voltei há pouco tempo do Campeonato Mundial em Baku, no Azerbaijão, onde conquistei o sétimo lugar na categoria 60kg, e foi justamente ali que tive a ideia dessa coluna. Veio de uma situação que inclusive já passei antes.

Uma característica comum das competições de Judô, principalmente as internacionais, é que você disputa todas as suas lutas em único dia, com intervalos de aproximadamente uma hora entre elas. Ou seja, quando você está buscando a medalha de ouro e acaba perdendo na semifinal, tem muito pouco tempo para “digerir” a derrota e se concentrar agora a buscar o bronze.

Isso não é fácil. Realmente não é. Ainda mais numa competição que você quer muito ganhar. É preciso que ter cabeça, pensar que já acabou aquela luta e logo vai começar uma nova. Eu mesmo tive competições que queria muito ganhar, e quando perdia uma luta, voltava na seguinte lutando pior e acabava perdendo de novo. Porém já houve situações em que eu perdi, mas consegui melhorar minha cabeça logo, recuperei, voltei e lutei melhor do que nas outras lutas e conquistei o bronze.

Uma coisa que ajuda nisso é ter alguém pra auxiliar, especialmente o técnico, que te ajuda a deixar a derrota para trás e concentrar totalmente na próxima luta. Além disso, eu gosto muito de mentalizar a competição antes dela começar, já antecipando esse cenário. Faço isso desde pequeno. Sempre procurei mentalizar situações de luta e competição, e me imagino na pior situação possível, lutando contra o adversário mais forte, e tudo que preciso fazer pra reverter o quadro. Me concentro em cada luta, encarando como uma final. Para mim, o psicológico conta 50% na preparação de um judoca. Essa é a dica que eu deixo a quem está começando, seja no Judô ou qualquer modalidade.


17 de outubro de 2018